Terça-feira, Junho 27, 2017

As planícies alentejanas são predominantemente agrícolas, dominadas por cortiça e oliveiras – culturas que se adaptaram à baixa pluviosidade e ao sufocante calor de verão.

Abrange uma área enorme, quase um terço de todo o país, que se estende do sul do Rio Tejo às cadeias montanhosas do norte do Algarve.

Grande parte da paisagem no interior é tediosa – que o compensa com surpresas inesperadas – castelos soberbamente situados, cidades entre muralhas remotas, ruínas romanas e praias do Atlântico.

É também o lar de centenas de espécies de aves, de cegonhas pretas a abetardas. É ainda uma das áreas de Europa, onde podemos ver as grandes propriedades agrícolas conhecidas como latifúndios, em vigor desde tempos romanos.

Transmitida de geração em geração, essas propriedades manteviveram em parte o seu carácter feudal até à revolução de 1974 – quando grande parte foi coletivizada.

No entanto, os trabalhadores não possuíam os meios financeiros lidar com uma sucessão de más colheitas, e latifundiários foram de novo adquirindo as propriedades.

Há muito para ver e apreciar: as fortificações espetaculares de Elvas; Portalegre; as aldeias de morro de Monsaraz e Marvão; as cidades de mármore de Estremoz e Vila Viçosa.

Esta região está repleta de vestígios pré-históricos, incluindo mais de uma dúzia de sítios megalíticos com antas, menires e círculos de pedra.

Alto Alentejo

Elvas

A atraente Elvas, a leste 40 km de Estremoz, foi dos mais importantes postos fronteiriços de Portugal e resposta à fortaleza espanhola de Badajoz - 15 km para leste do Rio Guadiana.

Para a maioria dos visitantes, compreensivelmente, o que atrai na região são as vilas e as cidades, nomeadamente Évora, cujo templo romano, muralhas medievais e igrejas colocam-a no mapa turístico.

Alentejo Central

Évora

Évora é uma das cidades mais impressionantes e agradáveis em Portugal, recheada de monumentos memoráveis sob protecção da UNESCO. Com um templo romano, ruas mouriscas, um circuito de muralhas medievais e um grandioso conjunto de mansões do século XVI.

A sul de Évora, nas planícies do Baixo Alentejo, sem uma viatura é difícil usufuir em pleno – limitado por autocarros significa que terá de passar noites em lugares que poderia simplesmente parar por um par de horas.

Para oeste, o litoral Alentejano é quase tão extenso como o do Algarve, consideravelmente menos desenvolvido.

Apenas alguns pequenos resorts – nomeadamente Vila Nova de Milfontes atrai multidões – as praias são excelentes e consegue visitar quase todas por transportes públicos.

Baixo Alentejo

Beja

Na rota para o interior através do sul do Alentejo, Beja aparece como um oásis no meio dos campos de trigo. Com uma posição estratégica no centro das planícies...