Alentejo Alto Alentejo Elvas

Elvas

A atraente Elvas, a leste 40 km de Estremoz, foi dos mais importantes postos fronteiriços de Portugal e resposta à fortaleza espanhola de Badajoz – 15 km para leste do Rio Guadiana.

Originalmente conquistada aos mouros, em 1230, resistiu a ataques vindos da Espanha durante três séculos seguintes. Sucumbiu apenas uma vez, quando a guarnição foi subornada em 1580.

Posteriormente, durante a guerra pela sucessão de Filipe IV e em 1644, a sua guarnição resistiu a um cerco de nove dias. Em 1658, mesmo reduzida por epidemia, conseguiu barrar o exército espanhol de cerca de quinze mil soldados.

Durante este período, as fortificações foram submetidas a reconstruções intensivas e a uma expansão. Mais tarde foram chamadas de novo ao serviço duas vezes: em 1801, e dez anos mais tarde, foi a base do Duque de Wellington para o ataque a Badajoz.

Hoje em dia Elvas é bem mais calma… A grande festa é a Festa de São Mateus, que tem a duração de seis a oito dias, começando em 20 de Setembro, e engloba um programa de eventos agrícolas, culturais e religiosos.

Os primeiros trechos das muralhas datam do século XIII, mas a maioria do que vê é resultado das Guerras de Sucessão com a Espanha no século XVII. Sob a direcção do grande engenheiro francês, Sébastien Le Prestre de Vauban, o antigo circuito de paredes foi complementado com extensos fossos e muralhas em forma de estrela.

Sébastien Le Prestre de Vauban

Aqueduto da Amoreira

Com o seu curso irregular e desajeitado, o Aqueduto da Amoreira, na entrada para o povoamento, parece à primeira vista uma extensão bizarra das fortificações.

É um feito imaginativo e original da engenharia: pilhas monstruosas de alvenaria, contrafortes cilíndricos e até cinco camadas de arcos apoiam um pequeno canal de água até à fonte no Largo da Misericórdia.

Aqueduto da Amoreira
  • Coordenadas: 38.877976,-7.172159

Foi construído entre 1498 e 1622 por Francisco de Arruda.

Igreja de Nossa Senhora da Assunção

O mesmo arquitecto é também responsável pela Igreja de Nossa Senhora da Assunção na Praça da República, que era Sé até Elvas perder o estatuto episcopal em 1882.

  • Coordenadas: 38.881257,-7.164171

Alterações nos séculos XVII e XVIII deixaram uma miscelânea irregular de estilos, mas a inspiração manuelina permanece evidente na porta do sul e na cúpula cónica acima do campanário.

Atrás da igreja encontra o Largo de Santa Clara, construído numa encosta em torno de um esplêndido pelourinho do século XVI.

Largo de Santa Clara
  • Coordenadas: 38.88178,-7.164077

Criminosos foram acorrentados aqui, com uma coluna torcida tipicamente manuelina.

Igreja de Nossa Senhora da Consolação.

Mesmo de frente fica a igreja de Nossa Senhora da Consolação.

  • Coordenadas: 38.881282,-7.1642655

O interior revela uma capela octogonal sumptuosa, com colunas a apoiar a cúpula central. A capela foi construída no local duma capela Templária – daí a inspiração para o design octogonal – quase todas superfícies estão decoradas com azulejos magníficos do século XVII.

Castelo de Elvas

O Largo de Santa Clara afunila para cima, para um arco ladeado por torres. Parte da porta mourisca original do povoamento é visível através dum portão de ferro sob o arco, enquanto que a rua guia-o através casas caiadas de branco para o Castelo de Elvas.

  • Coordenadas: 38.883342,-7.163207

Também construído pelos mouros, sob uma povoação romana fortificada, foi reforçado por D. Dinis e D. João II no final do século XV. Pode ver alguns dos quartos restaurados, mas o melhor de tudo é a vista magnífica a partir dos terraços.

Forte de Santa Luzia

Em meados de 2014, o forte de Santa Luzia foi convertido num museu militar. Fazia parte da defesa da praça-forte Elvas.

  • Coordenadas:38.873047,-7.158536

A atraente Elvas, cerca de 40 Km (meia hora de carro) de Estremoz, Vila Viçosa e Portalegre, e cerca de 80 Km (um hora) de Évora. Foi dos mais importantes postos fronteiriços de Portugal e a resposta à fortaleza espanhola de Badajoz – 15 km para leste do Rio Guadiana. As suas paredes em forma de estrela estão entre as mais complexas fortificações na Europa.

O que visitar perto:

Marvão

A vista panorâmica é incomparável e a atmosfera é ainda mais silenciosa que uma população inferior a mil pessoas poderia sugerir.

Castelo de Vide

Castelo de Vide cobre as encostas em torno de um castelo do século XIV, onde as casas brancas contrastam brilhantemente com a vegetação ao redor.

Crato e arredores

A Vila de Crato, que fundada em 1232, foi doada por D. João II à Ordem do Hospital, com uma óptima pousada fora do povoamento para norte- Flor da Rosa.

Portalegre

Uma cidade atraente dotada dum antigo bairro tipicamente caiado - três torres e alguns troços da muralha que permanecem da fortificação do século XIII.