Açores Grupo Central Ilha do Pico

Ilha do Pico

A segunda maior ilha dos Açores tem algo para todos. Explorar as terras altas e apreciar o cenário de padrões de nuvens em torno da montanha é motivo suficiente para vir à ilha.

A origem vulcânica da montanha está apenas adormecida; na cúpula sobre Piquinho, também chamado de Pico Pequeno, encontra um pequeno cone na cratera com fumarolas,  rochas quentes e um distinto cheiro de enxofre.

Várias cavernas são conhecidas, umas estão enterradas sob vegetação ou sob rochas, e é necessário abordá-las com cuidado.

O vinho e as baleias foram essenciais no passado do Pico; reflectido nas extensas vinhas perto de Madalena, museu do vinho, e 3 museus sobre o seu passado da caça à baleia.

Museu dos Baleeiros

 

  • Coordenadas:38.396384,-28.253445

Situado nas Lajes do Pico, durante décadas centro de actividade baleeira e hoje em dia centro para a observação de cetáceos, o museu apresenta uma fascinante exposição sobre a caça à baleia desenvolvida até 1985.

As exposições são adequadamente exibidas em três botes do século 19; com algumas áreas auxiliares.

Incluem barcos, artefactos, fotografias, bons exemplos de scrimshaw (arte de entalhe e gravação ou pintura em marfim de cachalote), bem como uma biblioteca com títulos sobre caça às baleias e cetáceos.

O museu oferece uma experiência essencial para quem deseja entender o papel da caça à baleia nas ilhas.

Centro de Artes e Ciências do Mar

  • Coordenadas:38.4035,-28.255333

Localizado na Lajes do Pico, está instalado na antiga fábrica de processamento das baleia SIBIL, onde pode ser visto algumas das originais máquinas de processamento, apresentações multimédia sobre os cetáceos, uma livraria, e um pequeno snack-bar.

Também tem instalações para exposições e pesquisa.

Museu da Indústria Baleeira

  • Coordenadas:38.529346,-28.324043

Localizado perto do porto e Clube Naval em São Roque do Pico. A antiga fábrica da baleia que foi construída em 1946 e fechada em 1984  – dez anos depois tornou-se um museu.

Museu do vinho

  • Coordenadas:38.536199,-28.516367

Localizado no concelho da Madalena, no extremo ocidental da Ilha, mesmo de frente à ilha do Faial, nomeadamente da cidade da Horta (cerca de 7 km de distância), área de terrenos muitos férteis.

O Museu de Vinho fica  a cerca de 30 minutos a pé da rua principal (Rua Carlos Dabney) a partir da Madalena em direcção ao aeroporto.

Na rua à esquerda antes de chegar ao edifício do antigo hotel, encontrará o museu instalado num convento carmelita cercado por um muro alto de pedra e com portas pintadas de cor laranja, onde pode provar e comprar o vinho do Pico.

O Verdelho é o vinho mais emblemático do Pico.

Moinho do Frade

A área a sul de Madalena a partir da freguesia Criação Velha, foi uma importante área vitícola e actualmente património mundial da Unesco.

Captura um período económico e social importante dos Açores. O moinho de vento, recentemente restaurado, a  5 km da Madalena, proporciona uma esplêndida vista sobre esta paisagem extraordinária.

Gruta das Torres

  • Coordenadas:38.494341,-28.502384

A dez minutos de carro para o sul de Madalena, a caverna está sinalizada perto de Criação Velha. Sob o controle do Núcleo Os Montanheiros, o túnel principal tem 4 480 metros de comprimento e à volta de 15 metros de altura.

Existem túneis laterais secundários que mostram uma maior diversidade geológica.

Com um bom acesso público – entrada construída de pedra de basalto, o tamanho (máximo) da excursão é de 12 pessoas; instruções específicas são dadas precedidas de um passeio de cerca de 450 metros –  e leva cerca de uma hora.

Chapéus e lanternas são fornecidos.

Mistérios de São João

Mistérios de São João
Mistérios de São João

Ao longo da costa sul, a EN-1 entre São Caetano e São João, encontra uma pequena área de 4.3 hectares, originalmente dominada por urzes, foi plantada na década de 1960 com várias coníferas e agora é dominada pelo pinheiro bravo.

Nos últimos anos, tem sido adaptada como área de lazer, com trilhos, churrasqueiras, mesas de piquenique, aparelhos para exercícios, uma torre de observação de aves e um centro de interpretação vulcânica.

Recreio da Prainha

Reserva Natural Prainha
Reserva Natural Prainha

Ao longo do norte da ER-1 a partir de São Roque do Pico para Piedade.

A Reserva Florestal de Recreio da Prainha tem extensas instalações de lazer  sob os pinheiros, incluindo parque infantil, uma academia multi-desportiva com chuveiros, recinto de cervos, trilhas e algumas típicas construções rurais.

Observar Cetáceos

Observar Baleias
Observar Baleias

Pico é uma das principais ilhas associadas à observação de baleias, já que Lajes foi onde tudo começou, e lojas que oferecem este serviço são fáceis de encontrar, tanto na Madalena como em Lajes.

Aprovados operadores de barco estão listados no cais. Serviços semelhantes também estão disponíveis na Horta, ilha do Faial.

Natação

No porto da Madalena, encontra uma das melhores piscinas com espaço para todos, vista para o mar e para o Faial através do canal.

Há vestuários, chuveiros. No verão há um snack-bar, mas há também um restaurante nas proximidades. Em pleno inverno, os moradores nadam no porto porque a água é mais quente que a da piscina. Existem inúmeras zonas balneares ao redor da ilha.

Na zona balnear da poça branca, em Prainha do Concelho de S. Roque do Pico, encontra também um amplo espaço de lazer, com uma área para piquenique e um campo de voleiból de praia.

A Subida ao Pico

A subida ao cume do Pico, cerca de 5 km, pode levar entre 2 a 5 horas, de acordo com as condições meteorológicas e como está apto, mas geralmente leva cerca de 3 horas a subir e 3 horas a descer. A descida pode ser mais difícil que a subida.

É altamente recomendável que vá com um guia oficial. Parte do serviço de Bombeiros voluntários são guias treinados em resgate de montanha. Começando no Cabeço das Cabras, 1 231 metros é uma subida de cerca de 5 km.

Há postes de marcação a cada 100 metros, mas com o mau tempo são difíceis de se ver.

Não é uma subida tecnicamente difícil, mas precisa ser capaz de andar bem e de lidar com as condições climatéricas  – em constante mudança. Vai precisar de botas, ou pelo menos sapatos de boa sola, e casaco à prova de vento e impermeável.

Na Cabeço das Cabras, encontra a Casa da Montanha. Há uma sala, fotografias, explicações sobre o Pico e sua ecologia, um pequeno bar com snacks e casas de banho. Aqui é mantido um registo rigoroso de quem está na montanha.

 

Também lhe vai ser emprestado um GPS que dá um sinal a cada dez minutos, monitorado pelo serviço de resgate. A melhor época para a escalada será em Junho, Julho e Agosto; caso contrário é muito frio.

Para assistir ao pôr do sol  ou ao nascer do sol, tem que começar por volta das 02:00 da manhã, ou ir entre as 17:00 – 19:00.

A escalada em inverno é para alpinistas experientes; e o registo é feito na estação de fogo na Madalena, Estrada Regional de São Roque, cerca de 20 minutos do porto da Madalena.

Não importa quantas montanhas já subiu, estar no topo do Pico, a  2 351 metros é uma experiência que guarda para a vida.

Para o sul está a Antárctica, a 14.500 km de distância e nada no meio. Noutras direcções, se tiver sorte com o tempo,  pode ver Faial, São Jorge, Graciosa e Terceira.

Antes de começar a sua caminhada, é sensato conhecer o tempo previsto. A luz da manhã tem uma qualidade especial quando lentamente se espalha na montanha e corta o frio da madrugada; totalmente justifica a decisão de fazer a caminhada nesta altura.

COMPARTILHAR