Portugal Madeira Porto Moniz e o Noroeste da Ilha da Madeira

Porto Moniz e o Noroeste da Ilha da Madeira

 

O pequeno farol numa falésia de Ponta do Pargo marca a parte mais ocidental da Madeira.

No noroeste, as piscinas naturais do Porto Moniz atraiem um elevado número de turistas para hotéis e restaurantes, enquanto nas proximidades é a caminhada, ao longo da Levada da Central, que seduz vários turistas.

Rumo a leste, pela estrada litoral, uma das mais bonitas da ilha, com os contornos dramáticos das montanhas que ligam a pitoresca vila do Seixal com São Vicente. Aqui  vai encontrar uma série de cavernas subterrâneas extraordinárias e um museu.

Ponta do Pargo

Ponta do Pargo
Ponta do Pargo
  • Coordenadas:32.810953,-17.250148

A pequena vila de Ponta do Pargo, foi assim chamada porque Zarco capturou estes peixes enquanto explorava a área. A vila é cercada por campos de vinhas e legumes. No centro encontra uma igreja atraente cujo terraço tem vista para a estrada.

Vira à direita,  e siga as indicações para Farol e encontrará, espectacularmente situado no topo de penhascos que caem para o mar, o ponto mais ocidental da ilha. A falésia é um timo local para um piquenique.

A norte da Ponta do Pargo  pode participar na Levada Nova, que vai de leste via Raposeira para Prazeres. Em baixo encontra Porto moniz, com os seus campos e farol.

À esquerda da igreja encontra a Fontanaria São Pedro, construída em 1899 e coberta com azulejos. Caminhar até ao farol da igreja são cerca de 20 minutos.

Teleférico Achadas da Cruz

Teleférico Achadas da Cruz
Teleférico Achadas da Cruz
  • Coordenadas:32.852877,-17.209868

Da Ponta do Pargo a EN101 passa pela pequena aldeia de Achadas da Cruz, e que vale o desvio pelo seu teleférico – construído para ajudar os agricultores a acederem aos campos – o solo  fértil na parte inferior do penhasco.

A viagem de retorno proporciona vistas soberbas, embora não recomendável para quem sofre de vertigens.

Porto Moniz

Porto Moniz

  • Coordenadas:32.866652,-17.170667

Apesar de ficar longe de Funchal, Porto Moniz é a vila mais animada da costa norte, com um conjunto de cafés, restaurantes e hotéis para além da principal atracção –  2 conjuntos de piscinas naturais.

A vila foi originalmente chamada de Ponta do Tristão, em honra ao promontório nas proximidades, que marcava o ponto de divisão entre as 2 capitanias – áreas administrativas dirigidas por Zarco e Tristão Vaz Teixeira.

A partir de 1533, no entanto, a vila foi gerida por Francisco Moniz – que mais tarde se casou com a neta de Zarco – e deste modo em 1577 foi renomeada. Graças ao seu porto de abrigo – protegido pelo, Ilhéu Mole – tornou-se um importante centro baleeiro.

Nas encostas ao redor da vila ainda vai ver campos alinhados com paredes de pedra seca ou cercas, que abrigam as vinhas e as culturas dos ventos do quadrante norte. A parte nova  estende-se entre as piscinas naturais do mar sob rochas vulcânicas.

As piscinas de leste, abaixo do Restaurante Cachalote, consistem numa série de canais de interligação e piscinas rasas, que ficam deliciosamente quentes no verão. Mais a leste, num antigo forte, um aquário.

Ao longo do agradável passeio marítimo, alinhado com cafés e quiosques, a 500 metros para oeste encontra o segundo conjunto de piscinas naturais. Embora as piscinas são menos propícias para a natação, há mais espaço para colocar a toalha.

 

Centro de Ciência Viva

Centro de Ciência Viva
Centro de Ciência Viva
  • Coordenadas:32.867314,-17.1678

Regressando do passeio marítimo, encontra a fachada de vidro do Centro de Ciência Viva, que acolhe exposições temporárias relacionadas com a ciência. Destinadas principalmente aos moradores, as exposições podem ser muito interessantes.

Porto Moniz: Parte Velha

A cinco minutos a pé da costa é uma área muito agradável e  é constituída por casas de pescadores brancas em volta de uma igreja, com um telhado de telhas de terracota e uma torre de relógio.

Logo abaixo,  vai encontrar um par de bancos e um mini-mercado. Há boas vistas sobre a costa, mas se  tiver seu próprio transporte, vale a pena conduzir até á encosta, onde a visão é mais dramática.

Há 2 miradouros, um com um café à mão, e o superior com um pequeno santuário. Continue nesta estrada para iniciar um dos mais belos passeios da ilha, ao longo da Levada da Central.

A Levada da Central da Ribeira da Janela

Levada da Central da Ribeira da Janela
Levada da Central da Ribeira da Janela
  • Coordenadas:32.851211,-17.166629

Este passeio (2 horas e 20 minutos, ida e volta) leva-o até a um vale dramático por uma floresta protegida pela Unesco, das mais antigas floresta sobreviventes na Europa.

Para chegar ao ponto de partida, dirija cerca de 3km do Porto Moniz para Lamaceiros. Através da aldeia e passado a igreja, siga em frente, que verá um pequeno reservatório à sua esquerda.

Pode estacionar aqui e caminhar até o reservatório, à direita  – é o início da levada. Cinco a dez minutos depois, verá o caminho Ribeira da Janela abaixo, no vale do lado esquerdo.

Depois mergulha sob a sombra de árvores densas até sair novamente para encontrar uma mesa de piquenique com vistas deslumbrantes para o mar e a vila de Ribeira da Janela, do outro lado do vale.

A próxima seção de 200m está alinhada com árvores de fruto. Depois de quarenta minutos vai ver a parte superior do vale, uma massa de folhagem densa – a floresta Laurissilva. A partir daqui, o caminho se estreita em secções, gradualmente mais íngreme.

Seixal

Seixal é dividida em 2 partes distintas: a  alta, com algumas lojas e cafés, e parte debaixo mais bonita, com um aglomerado de de casas tranquilas e tradicionais. O pano de fundo é um espetacular litoral com montanhas imponentes.

Para chegar à parte mais baixa, siga as indicações para o cais e desça a colina, olhe para o Véu da Noiva  – cachoeiras caindo do penhasco e ao longo de um túnel rodoviário mais abaixo da costa.

No sopé da colina chega a um pequeno porto com barcos de pesca e poderá nadar nas piscinas pequenas.

São Vicente

São Vicente
São Vicente
  • Coordenadas:32.79379,-17.038201

São Vicente tem sido sempre um ponto de parada popular para os madeirenses que viajam a partir da costa norte da capital.

A zona central é completamente pedonal e bonita, ladeadas por flores e cafés cuidadosamente mantidas e lojas, ao redor duma igreja barroca do século XVII com uma torre.

Dentro,  vai ver uma pintura de São Vicente no tecto – o santo padroeiro de Lisboa – e belos azulejos nas paredes inferiores. De frente para a igreja encontra uma praça pavimentada, cercada por palmeiras e um cemitério bem cuidado.

A partir da vila  também pode ver a distintiva torre da igreja de Nossa Senhora de Fátima, concluída em 1953, esplêndida num cenário de montanhas verdes.

Calhau

Calhau é uma linha de restaurantes e lojas de frente para uma praia rochosa.Popular entre os surfistas, o mar aqui é geralmente perigoso para a natação. De frente para ao mar, pode visitar a Capela São Roque.

Seguindo sobre a ponte para leste, está a um par de minutos da Piscina Calamar de em frente para a Estalagem Calamar. Há piscinas de água salgada e escadas para o mar.

As piscinas ficam muito animadas nos fins de semana no verão. A partir da Capela São Roque há um atalho para São Vicente.

Siga o caminho para leste da ponte, e passa por um par de arcos de pedra até chegar a uma ponte velha –  atravessa para chegar ao centro da parte velha – a caminhada leva cerca de 10 minutos.

Grutas e Centro do vulcanismo

Grutas de São Vicente
Grutas de São Vicente
  • Coordenadas:32.797798,-17.04255

As Grutas de São Vicente são uma série dramáticas cavernas subterrâneas, com uma exposição informativa sobre vulcões no Centro de vulcanismo.

A entrada é marcada por um parque de estacionamento do lado direito da estrada, e o café e espaço de exposição no centro de recepção ajuda a preencher o tempo enquanto espera pela próxima sessão.

As cavernas foram criadas por gases vulcânicos durante a última erupção da Madeira; a maior caverna tem cerca de 1 km de comprimento. Água lentamente escorre através da rocha porosa para formar uma série de piscinas naturais.

As cavernas foram consideravelmente alteradas desde que James Johnson tropeçou sobre elas em 1855 –  agora  pode andar confortavelmente, acompanhado por música ambiente.

O passeio termina no Centro do vulcanismo onde aprende vários factos sobre vulcões e lhe é apresentado um vídeo interessante sobre o passado vulcânico da Madeira.

Pode ser transportado num elevador para o “centro da terra”, uma sala de espelhos mostrando uma réplica do núcleo da terra.

O que visitar perto: