Início Alentejo Alto Alentejo Castelo de Vide (Alentejo)

Castelo de Vide (Alentejo)

Sinagoga

  • Coordenadas: 39.417533,-7.457807

Uma placa de sinalização leva-o à íngreme Rua da Fonte, passando por casas de portas e janelas góticas, e um olhar atento descortina a Sinagoga mais antiga em Portugal.

Do lado de fora não se parece diferente das restantes casas, é o edifício de esquina – Sinagogas de exterior simples são típicas em Portugal.

No fim do século XV, o Rei Dom Manuel I pretende-se casar com a Princesa das Astúrias, Dona Isabel de Aragão e Castela. Não se trata de amor, mas de gerar um herdeiro legítimo.

Todos os reinos na Península Ibérica estavam em processo de unificação sobre o poder esmagador de Castela (exceto um cheio de riquezas além mar…). O casamento é uma estratégia que, pelo menos no universo dos sonhos, elimina futuras hostilidades com o único vizinho, muito superior em recursos populacionais.

Nesta época, Portugal terá perto dum milhão e meio de habitantes (e parte dos homens ativos navega por meio mundo). Assim, a haver uma unificação ibérica esta seria feita segundo um varão português.

Porém, os Reis Católicos exigem, como condição inegociável, a expulsão dos judeus, algo que Dom Manuel I não queria de todo. Seria inimaginável para o fundador do reino: Dom Afonso Henriques que confiava a gestão das finanças a um rabi; tradição seguida por todos da sua linhagem.

Dom Manuel acredita que a união é vital para a sobrevivência do reino e concede a fazer desaparecer os judeus de Portugal… Após o casamento promulga várias medidas que torna impraticável a saída voluntária ou a expulsão dos judeus – o plano é convertê-los ao cristianismo — cristão novo (cripto-judeus).

As conversões foram uma tortura psicológica, muitas vezes física, e em casos extremos culminam em mortes – uma traição aos judeus portugueses.

Todo o processo, macabro, foi em vão: a jovem rainha morre no parto de Miguel da Paz (herdeiro de Portugal, Castela, Leão, Aragão e Sicília) e este morrerá com 2 anos (quando se encontrava com os avós; os reis católicos de Espanha). Inevitavelmente, no fim do século XVI, Espanha e Portugal entram em rota de colisão.

Como “cristãos novos” os judeus são livres para saírem, e que foi o que aconteceu com os portugueses que foram para Amesterdão e cujos descendentes assistem à anexação de Portugal pela coroa espanhola (União Ibérica). Os Países Baixos também lutam para ser independentes de Espanha.

A maioria dos judeus não tinha meios para sair e cá ficaram como “cristãos novos”. Em Castelo de Vide ainda existem indícios da influência judaica: O bolo da massa em Castelo de Vide parece o pão ázimo consumido pelos judeus e, durante a Páscoa, a bênção e abate dos borregos é feito duma forma que remete para o abate ritual dos judeus.