Açores Grupo Central Ilha do Pico (Açores)

Ilha do Pico (Açores)

Foi a primeira vila na ilha, da qual os primeiros colonos se lançaram a explorar o resto da ilha. O primeiro capitão do donatário foi Álvaro de Ornelas, Cavaleiro que serviu o Infante do Henrique em várias aventuras no mar – por isso acrescentou 2 sereias ao seu escudo.

Não era homem para se assentar no campo, acabou por morrer em combate numa nova expedição africana – nunca tomou posse dos seus domínios. Deste modo, os direitos sobre a ilha passam para Joss van Hürter e assim começa o domínio faialense, por vários séculos, sob a ilha.

 

Centro de Artes e Ciências do Mar

  • Coordenadas: 38.4035,-28.255333

Na antiga fábrica de processamento SIBIL, vê algumas das originais máquinas de processamento, apresentações sobre os cetáceos, com um pequeno snack-bar. Durante décadas, se fez óleo da baleia e derivados para ser exportado.

Aqui ninguém caçou com prazer, simplesmente a vida de lavoura não chegava e arriscam a própria vida para sustentar a esposa, filhos ou ajudar o resto da família.

Com o fim da caça à baleia, estas consumem mais lulas e chicharro e assim reduzem a presença do atum que era outro sustento da ilha. O equilíbrio ecológico é uma arte difícil, todavia o mundo ficou mais rico com o fim da caça à baleia.

 

Forte de Santa Catarina

  • Coordenadas: 38.401271, -28.255023

A principal proteção contra corsários e piratas, era o Forte de Santa Catarina, que é o último exemplo deste tipo de estrutura na ilha – com o tempo se tornaram ruínas. Felizmente, foi requalificado e alberga o posto de turismo e uma loja de produtos regionais.

Muito perto fica o sonolento Convento dos Franciscanos e a Igreja da Nossa Senhora da Conceição, erguido no século XVII e ampliado no século XVIII, sob uma ermida mais antiga (século XVI) dedicada à Nossa Senhora da Conceição.

Convento dos Franciscanos e a Igreja da Nossa Senhora da Conceição
  • Coordenadas: 38.392913, -28.249359

Na ilha de Pico é o mais antigo convento da ordem de São Francisco, ordem que é uma presença constante na herança açoriana. O centro de Lajes do Pico fica a cerca de 500 metros e foi por muito tempo a capital solene da caça à baleia.

 

Museu dos Baleeiros

  • Coordenadas: 38.396384,-28.253445

Na antiga casa dos botes, perto do lugar donde eram arreados os barcos para o mar, fica o Museu dos Baleeiros (rua dos Baleeiros, n. 13) com uma fascinante exposição sobre a caça à baleia desenvolvida até fins da década de 80 do século XX.

As exposições estão adequadamente exibidas com três botes baleeiros e outras áreas auxiliares que incluem fotografias, bons exemplos de scrimshaw (arte de entalhe e gravação ou pintura em marfim de cachalote), bem como uma biblioteca com obras sobre a caça à baleia.

O bote baleeiro açoriano é mais comprido (cerca de 10 metros) que o pequeno bote americano dos grandes navios-fábrica do século XVIII ao século XIX. No tempo que estes homens caçam cerca de 100 baleias por ano, havia uma indústria mecanizada que mata dezenas de milhares por ano e que quase que levou à extinção da baleia.

O museu oferece uma experiência essencial para quem deseja entender o papel da caça à baleia nas ilhas. Hoje em dia, a Lajes do Pico é o centro para observar cetáceos, nomeadamente baleias e golfinhos.

 

Observação de Cetáceos

Pico é das principais ilhas associadas à observação de baleias, já que Lajes foi onde tudo começou, e estes serviços são fáceis de encontrar.

Uma destas agências é Espaço Talassa na rua dos baleeiros. Nota-se o esforço para ser ecologicamente responsável e de respeito pelas espécies marinhas que encontra. A área donde encontra a empresa era onde viviam os antigos baleeiros, que foi toda reconstruída com esplanadas, bares e lojas de recordações.

  • Coordenadas: 38.395892, -28.253939 

A melhor altura para observar baleias é quando estas se encontram a migrar e atravessam o mar dos Açores – por volta de Abril-Maio. Muito perto, avista a bela igreja do século XIX, Igreja da Santíssima Trindade, no Largo General Francisco Soares de Lacerda Machado.

  • Coordenadas: 38.394036, -28.251452

A padroeira da Lajes do Pico é a Nossa Senhora de Lourdes, por quem os baleeiros tinham particular devoção. No concelho Lajes do Pico (http://cm-lajesdopico.pt/) celebra-se há mais dum século a Festa à Nossa Senhora de Lourdes que termina no último domingo de agosto.

É das festas religiosas mais interessantes nos Açores – com uma procissão marítima e um sermão junto ao porto. À festa juntaram-se um conjunto de atividades culturais e desportivas que ocorrem durante sete dias antes do último domingo de agosto – Semana dos Baleeiros que começou em 1976 e celebra a cultura baleeira da ilha.

Ermida de São Pedro
  • Coordenadas: 38.392477, -28.250653

A cerca de 200 metros da Igreja encontra a simples Ermida de São Pedro – marca o local donde desembarcaram os primeiros povoadores da ilha. Segundo a tradição foi o Frei Pedro o Gigante, pároco da ermida, quem introduziu a casta Verdelho na ilha do Pico.

  • Coordenadas: 38.390018, -28.251559 

Da ermida está a poucos passos da baía e da Piscina Natural da Lajes do Pico – sítio ideal na vila para se refrescar com um banho – com chuveiros, casa de banho e restaurantes na proximidade.