Açores Grupo Ocidental Ilha do Corvo

Ilha do Corvo

Corvo é, de longe, a ilha mais remota do arquipélago e certamente um dos lugares mais isolados de toda a Europa.

É uma pequena jóia na coroa açoriana, o remanescente vulcânico cercado pelo oceano, em certas alturas selvagem e inacessível por parte da sua vizinha, Ilha das Flores – até ao advento do próximo avião.

Sendo a ilha mais remota nos Açores, o Corvo é também, de longe, a mais pequena, de apenas 17.13 km².

É também a mais pequena freguesia de Portugal. A ilha é constituída por uma cúpula de vulcão a norte da ilha, com uma caldeira, na parte inferior, com uma linda lagoa.

A principal atividade turística na ilha é a observação de aves, com várias espécias que são dificeis de encontrar na restante Europa.

Os visitantes da ilha das  Flores podem fazer a travessia de barco no verão, mas para o verdadeiro viajante que quer mesmo conhecer a ilha,  há uma pequena residencial com oito quartos e um parque de campismo.

Se chegar de avião ou de barco, aterra no único povoado da ilha, Vila do Corvo.

No segmento oriental da freguesia muito pouco mudou, ruas estreitas entre paredes de basalto escuro com as casas firmemente amontoadas para assegurar uma protecção mútua contra tempestades e rentabilizar o precioso terreno arável.

A única estrada serpenteia para cima e para as zonas de pastagem, continuando até ao topo do vulcão, o ponto mais alto da ilha do Corvo, Monte Grosso (770 metros). A Lagoa do Caldeirão, no centro da ilha, com um perímetro de 3,7 km, é a maior atracção da ilha.

Numa visita de 1 dia deve haver tempo suficiente para caminhar até ao final da estrada e apreciar a vista na cratera que, a 300 metros de profundidade e 2 km de largura, está entre as maiores atracções nos Açores.

Para aqueles com mais tempo, existem várias caminhadas que pode fazer, além de actividades marítimas, mas certamente o maior prazer de vir para o Corvo é libertar-se de tudo e absorver a sua atmosfera.

Em 2009, a UNESCO declarou a ilha como Reserva da Biosfera, abrangendo toda a área acima do nível do mar e a zona marítima circundante.

Se veio apenas para 1 dia, então Vila do Corvo certamente justifica uma ou duas horas vagueando na parte antiga da freguesia e apreciando os seus detalhes: a partir do porto, com as ruas estreitas , e a Igreja de Nossa Senhora dos Milagres.

A actual igreja foi construída entre 1789 e 1795, e paga pela população Corvo.

Ao explorar a costa sul abaixo do aeroporto vai chegar a uma rampa de lançamento com moinhos de vento; onde as baleias era trazidas antes de se construir a fábrica para o seu processamento nas Flores.

Em termos de alojamento, recomenda-se Guesthouse Comodoro, Caminho do Areiro, 9980 Vila do Corvo.

Cerca de 5 minutos a pé do aeroporto, todos podem dizer-lhe o caminho, mas oferece um serviço de transporte gratuito. Os quartos estão equipados com casa de banho, serviço gratuito à Internet e televisão por cabo.