Algarve A Leste de Faro Alcoutim (Algarve)

Alcoutim (Algarve)

A 40 km da Vila Real de Santo António – com um lindo traçado rodoviário que abraça o rio Guadiana, chega à vila de Alcoutim com uma longa história como porto fluvial.

Hoje em dia, Alcoutim é cada vez mais um destino turístico de quem quer fugir da agitação e perder-se num dos recantos de Portugal. É também reconhecida pelo seu artesanato, especialmente pelos bordados, tapetes de lã ao estilo de Arraiolos e cerâmica.

No passado Alcoutim era rica em minérios, sobretudo cobre e enxofre, e como era percorrida pelo maior rio do sul (Guadiana), permitia um acesso rápido por parte dos povos do mediterrâneo.

Foi intensamente explorada, com vários vestígios arqueológicos na região, nomeadamente da civilização romana e da islâmica Omíada, Almorávida e Almoáda.

O nome Alcoutim vem do árabe القطامي ( Al-Qutami), que significa falcão-peregrino – o maior em Portugal e o mais veloz no mundo.

Falcão Peregrino

A 2 km para norte da vila de Alcoutim, pela rua Dom Fernando, encontra o Castelo Velho, atualmente um mero “fóssil”. No decurso da conquista islâmica da península ibérica, século VIII, a força islâmica subjugou esta área e aqui construíram o seu castelo. O acesso não é fácil, sem estradas.

Castelo Velho de Alcoutim
  • Coordenadas: 37.480699, -7.471969

No seu auge era um palácio fortificado com funções de residência e de controlo do Guadiana por parte da Dinastia Omíada – originários de Meca, Arábia Saudita. Foram encontrados fragmentos de tambores cerâmicos e tabuleiros de jogos que nos revelam as atividades de lazer dos seus residentes.

Com as lutas internas no mundo islâmico, a fortificação foi abandonada antes da chegada dos mouros almóadas do Norte de África, mais fundamentalistas, nos séculos XII-XIII.

  • Coordenadas: 37.4791395,-7.4731081

No topo da vila impera o “novo” Castelo de Alcoutim, que passa para domínio cristão em 1238, altura em que também são conquistadas Mértola, Alfajar da Pena e Ayamonte (atual Espanha) – e passam a ser terras da temerosa Ordem Militar de Santiago.

Os Cavaleiros de Santiago, chamados de Santiaguistas ou Espatários

O Rei Dom Dinis, no século XIV, reconstrói o Castelo de Alcoutim que agora está em ruínas, mas ainda assim oferece belas vistas sobre a vila, o rio Guadiana e da vila espanhola Sanlúcar de Guadiana.

Sanlúcar de Guadiana, Rio Guadiana e Alcoutim

A entrada ao Castelo inclui acesso a um pequeno núcleo arqueológico pelos portões principais, que traça a história do castelo, na Guerra da Restauração e nas Guerras Liberais.

Devido à sua posição, Alcoutim foi alvo de conflitos armados constantes com o reino vizinho de Castela. Após o assassinato do Dom Pedro I de Leão e Castela, em meados do século XIV, o Rei Dom Fernando de Portugal (o Formoso) reclama o trono de Castela, pois na sua visão era o último legítimo bisneto do Dom Sancho IV de Leão e Castela.

Henrique II de Leão Castela também era bisneto, mas era bastardo. Em 1371, foi aqui assinado o Tratado de Alcoutim, com o qual termina a primeira guerra entre Portugal e Castela. No século XVII foram feitas extensões para a artilharia até que, em 1878, terminou o seu uso militar.